Por Que Nao Ha Relacao Sexual

Código: 9788577240111
R$ 50,00
até 2x de R$ 25,00 sem juros
Comprar Disponibilidade: Imediata Aproveite! Restam apenas 2 unidades
    • 1x de R$ 50,00 sem juros
    • 2x de R$ 25,00 sem juros
  • R$ 50,00 Boleto Bancário
  • R$ 50,00 Entrega
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Autor(es): HARARI, ROBERTO

ISBN: 9788577240111

Sinopse:

O titulo deste livro e um tanto estranho - 'Por que nao ha relacao sexual?'. Seguramente, por vivencia pessoal, perguntariamos - 'Como e possivel isso, nao ha relacao sexual?'. Responderiamos com Lacan, em todo caso, que ha relacoes sexuais. O plural ai muda suficientemente a questao para que pensemos, com efeito, que, quando Lacan afirma que 'nao ha relacao sexual', nao fala das relacoes sexuais, mas de um conceito particular e apresenta esse conceito em termos negativos - nao ha relacao sexual. Diante disso, a pergunta que apresento e - 'Por que nao ha relacao sexual?'. A afirmacao de Lacan nos leva a tentar justificar o porque desse conceito, o conceito de que nao ha relacao sexual. O termo frances rapport se traduz por 'relacao' ou 'proporcao', podendo tratar-se ainda de um 'relato', um 'informe'. Ha tres acepcoes, portanto, e das tres teriamos que tomar efetivamente as tres - proporcao, relacao e relato. Talvez a que melhor possa dar conta do que se trata, pelo menos em um sentido quase intuitivo, seja a de 'proporcao'. Recordemos que proporcao evidentemente implica uma relacao de acoplamento, de adequacao. Poder-se-ia dizer que se trata de alguma coisa que se encaixa exatamente noutra coisa. Esses sao dois termos para iniciar essa reflexao, precisamente os dois termos pelos quais se deveria comecar e que surgiram, como vemos, quase de modo imprevisto. Aqui surge nova indagacao - o que se supoe obter na assim chamada relacao sexual, em termos imaginarios, do cotidiano? - Supoe-se que dois fazem um! Que no acoplamento sexual, por meio do coito, logrem ser exatamente um. Aparentemente afirma-se isso. Lembremos do classico mito do androgino, de Platao - que Freud toma literalmente do Banquete -, que diz em seu discurso sobre o amor, pela boca de Aristofanes, que ha efetivamente dois sexos. Como e que chegaram a ser esses dois sexos, ja que de inicio so havia um? Foram castigados, dividiram-se e logo tenderam a buscar um ao outro para amar numa relacao sexual, atraves da qual pudessem encaixar-se exatamente homem quase se poderia dar por resolvida a questao. Ha um? Pois bem, pareceria entao que as relacoes sexuais viessem a confirmar efetivamente que ha um! A esse respeito Lacan vai dizer que ha um, mas ha um que depende do Outro, e esse e um conceito-chave em sua obra. Quem e esse Outro? Nao e esse outro escrito com a minusculo que indica o proximo, o semelhante, o da relacao bipessoal, interpessoal, intersubjetiva. Esse outro e justamente o que marca uma relacao dual. E com esse a do pequeno autre/outro que o psicanalista deve romper para centrar sua atencao nesse outro A, nesse Autre/Outro que e o lugar da palavra, tesouro do significante, conforme diz Lacan. Esse Outro nao e nem de um nem de outro, nao e das pessoas; esse Outro e um lugar virtual que transcende as pessoas e por isso ele o chama de Outro transindividual. 'Trans' - atravessa os individuos.

Produtos relacionados

R$ 50,00
até 2x de R$ 25,00 sem juros
Comprar Disponibilidade: Imediata Aproveite! Restam apenas 2 unidades
Pague com
  • Pagar.me V2
Selos

CARLOS EDUARDO PIKUSSA COMERCIO DE LIVROS ME - CNPJ: 09.346.870/0001-91 © Todos os direitos reservados. 2020